15 junho, 2011

Doença Celíaca na Mídia - A vida Sem Glúten da atriz Isis Valverde

Quando a gente se vê na consdição de celíaco, acha que somos os únicos no mundo. Quando nos deparamos com pessoas famosas celíacos ficamos tão felizes... rss
É como se eles fossem um representante nosso para o grande público. Por isso acho que os famosos portadores de celíase deviam divulgar mais a DC, abraçar a causa como muitos de nos reles mortais fazemos. Lê-se 'nos' como as representantes das Acelbras e seus colaboradores, diretos ou indiretos. Mas, vamos a matéria:


A vida sem glúten da atriz Isis Valverde

Revista Eletronica: Vida Sem Glúten e Alergias - 30 dez. 2009
O glúten, uma proteína presente no trigo, cevada e centeio, faz parte do dia a dia da vida de milhões de pessoas. Está presente em alimentos como pães, bolos, massas, tortas, pizzas, base para molhos e temperos, em bebidas como a cerveja e até mesmo em produtos inesperados, como medicamentos e cosméticos. Apesar da presença constante na dieta de praticamente toda a população, o que poucos sabem é que para um grupo grande de pessoas a ingestão desta proteína, ainda que em quantidades muito pequenas, é extremamente prejudicial à saúde. Elas têm o que chamamos de doença celíaca, um problema hereditário crônico que estima-se afetar quase 1% da população de países na Europa, América do Sul, do Norte e vários outros.
Mudar radicalmente os hábitos alimentares representa um desafio para qualquer pessoa. Imagine o que representa para uma celebridade, a quem os compromissos sociais, viagens e eventos são uma constante?
Nossa equipe entrevistou Isis Valverde, atriz conhecida nacionalmente, a romântica Camila da novela "Caminho das Índias", para saber como ela consegue conciliar uma vida dinâmica de gravações e eventos com a dieta sem glúten.
A Isis descobriu ser celíaca aos 19 anos, quando então passou a seguir a dieta rigorosamente. Para ela, a principal dificuldade inicial foi habituar-se a ler todos os rótulos dos alimentos que pretendia consumir. Isis também nos confessou que não gosta muito de cozinhar. No entanto, ela está sempre cercada de profissionais que cuidam de aspectos como a alimentação e outras necessidades dos atores. Assim, esses profissionais se encarregam de garantir cardápios apropriados para a atriz, organizando também suas viagens e pesquisando com antecedência quais hotéis e restaurantes servem alimentos sem glúten.
Falando de seus pratos favoritos, Isis nos contou que gosta muito de comida japonesa, naturalmente desprovida de glúten.
- E qual o prato com glúten que você sente mais saudade? perguntamos. Ela respondeu prontamente que é Bolo de Cenoura.
Assim, em sua homenagem, publicamos nesta edição da Revista SpecialGourmets uma receita sem glúten (e sem lactose) de Bolo de Cenoura, contribuição especial de Debora Pusebon.
A atriz disse que não conhece outros portadores da doença, mas sempre tem conhecimento de "alguém que conhece algum celíaco". E, muito responsável, quando lhe perguntamos que conselho daria a outras pessoas com esta restrição alimentar, ela nos disse:
- "Cuidem-se, porque isso é sério!"
Isis Valverde nos dá um excelente exemplo de como uma pessoa, portadora de doença celíaca, pode ter uma vida normal e dinâmica, respeitando todos os cuidados alimentares que lhe são impostos.

Ps. só para lembrar, eu não sou celíaca, mas mãe de celíaco por isso me sinto, ajo e falo como se fosse.

7 comentários:

  1. Eu nunca vi a Ísis Valverde falar na TV da DC. Ela podia abrir esse "caminho", um famoso, qdo faz qquer coisa, vira moda, então, ela podia tocar mais nesse assunto, assim as pessoas iam procurar saber o q era e se informariam mais sobre a doença, e nós não seríamos ETs...

    ResponderExcluir
  2. Também não sou celíaca, mas mãe de celíaco, celíaco é!
    Estamos no mesmo barco.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  3. Flavia dos Santos14 de julho de 2011 15:05

    Concordo com voce Malu, esse asunto nao eh abordado, conheci meu namorado ja com a doença a partir dai comecei a me interar do assunto e penso ate em aderir a essa dieta para poder acompalha-lo.

    Alguem ja foi "vitima" de preconceito por causa disso? ja chegaram a duvidar q possa realmente fazer mal?

    Abraços, se quiser trocar ideias ou receitas, pode me procurar no facebook: Flavia Vargas dos Santos

    ResponderExcluir
  4. Oi Flávia,
    Bem vinda ao Quitutes e Firulas!!

    O preconceito existe sempre, é algo que tem-se que aprender a conviver (existe mesmo na familia, eles custam a perceber que um fato simples como trocar marca do caldo de carne -Knor para Jurema por ex.- é importante).
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. sou celiaca.
    Não tenho sintomas aparentes.
    Não faço a dieta.
    O fato é que recentemente me consultei com uma médica que me assustou.
    Disse seriamente que preciso urgentemente aderir a dieta, pois as consequencias da ingestão do glutem podem ser muito serias e graves.
    Mas é tão difícil.
    Silvia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Silvia,
      siga a dieta a risca e você vai ver como será feliz!

      Toda mudança no inicio é trabalhosa e gera insegurança, mas depois você vai ver que viver sem glúten, ler rotulos e sempre perguntar no restaurante se a batata foi fritada só em óleo de batata vira a rotina, a normalidade.

      As consequências de não se seguir a dieta sem glúten realmente são ruins, dá mesma forma que um diabetico terá problemas se comer açúcar. Pense nisso e conte sempre comigo.

      Beijos no coração

      Excluir
  6. Sou celíaca e Dermatite herpetiforme, descobri a 3 anos, mas só a 17 dias estou na dieta. Realmente, existe vida sem gluten, um pouco mais restrita sim, mas uma vida ´´quase`` normal. Estou ainda me adaptando com produtos de higiene, se alguém tiver uma lista de produtos e puder me passar.... natalie@fastsys.com.br, em relação a preconceito... a rede de restaurantes ´´vivendas do camarão`` anuncia pratos sem gluten, porém somente o bobó que não possui, ai quando questionei a funcionária sobre o que seria gluten, ela me respondeu: ´´não sei`` pedi para ver o rotulo da batata, e a mesma falou que não poderia me dar.
    Isso é uma discriminação, pois me senti tão mal que quase chorei...mas é a vida...quem quiser manda ai natalie@fastsys.com.br. bjusss

    ResponderExcluir